O peeling é um tipo de tratamento capaz de corrigir marcas, manchas e muitas alterações da pele devido ao envelhecimento, melhorando assim sua vitalidade e aparência. Através da aplicação de produtos, onde o médico verifica os excessos de complicações da pele, o peeling descama a camada da pele danificada e a regenera, substituindo assim, por uma pele mais vistosa e bela, essa regeneração ocorre através de células que permanecem em determinados pontos da pele e tem capacidade de reprodução.

O peeling é uma esfoliação induzida de pele, seu principal objetivo é remover algumas camadas de pele, manchas superficiais e estimular a formação de colágeno.

Logo após o procedimento, a pele pode ficar com aparência avermelhada, e em alguns casos, inchada. Nas primeiras 24 horas, pode, ainda, ficar escurecida e começar a descamar, eventualmente formando crostas que não devem ser retiradas para evitar manchas e cicatrizes. 

Após o procedimento, use hidratantes, evite exposição solar direta durante o período recomendado pelo médico e use filtro solar para evitar hiperpigmentação (manchas). Evite fumar no dia do procedimento e não utilize anti-inflamatórios para retirar a vermelhidão.

Devido ao fator de regeneração é que os Peelings são tratamentos tão úteis, eficientes e versáteis e, de forma direta ou indireta, podendo ser usados para vários tipos de tratamentos de pele como: manchas, rugas, envelhecimento precoce, sujidade, desnutrição, desidratação, oleosidade, acne, cicatrizes, estrias e até flacidez dérmica. E os resultados podem ser incríveis, quando feitos por um profissional.

Para quem não sabe, peeling significa descamação. Essa descamação pode ocorrer de 3 maneiras: superficial, média e profunda da pele. Isso é programado de acordo com objetivo do tratamento traçado; por exemplo: se desejo tratar manchas (como o melasma), aplico peelings que vão atuar apenas na epiderme (região mais superficial da pele). Mas se o foco for aquelas ruguinhas indesejáveis posso optar por peelings médios ou profundos com o objetivo de eliminar as células mortas, renovar as camadas superficiais da pele e estimular a síntese do colágeno (a tão falada substância que dá sustentação na pele). Nesse caso há formação de crostas na pele e, geralmente, é necessário ficar alguns dias de molho em casa para pele reepitelizar (quer dizer, nascer novinha em folha – com melhora de manchas, rugas e com viço).

Quais são os tipos de Peeling

Peelings Físicos:

agem por atrito como as esfoliações, o peeling de diamante, o peeling de cristal e as dermoabrasões. é a aplicação de um cristal de alumínio em forma de pó. É o procedimento mais seguro e pode ser feito a cada 15 dias. Esta técnica garante a remoção de camada córnea (células mortas), por meio de uma esfoliação mecânica e não descama.

Com o Peeling de cristal é possível remover as células mortas da pele e, assim, regenerar o local. Seu rosto ganha uma textura macia e delicada, é um método seguro, não cirúrgico e útil no rejuvenescimento facial. A esfoliação progressiva da superfície cutânea feita pelos microcristais remove as células mortas e estimula a produção de colágeno e elastina, deixando a pele mais fina e macia. Esse procedimento é realizado com o auxílio de um aparelho com sistema a vácuo que promove a pulverização de cristais de óxido de alumínio sobre a área a ser tratada. Esta reação abrasiva destrói a barreira externa da cútis, aumentando a penetração e potencializando a ação das medicações tópicas.

Peelings Químicos

agem através da reação de substâncias químicas , normalmente ácidos, na pele. formam casquinhas e descascam muito, como o ATA e o fenol

Peeling químico é realizado através de substâncias químicas na face, com o intuito de combater imperfeições, rugas e problemas de pigmentação e poros dilatados. É mais agressivo que os demais e sua recuperação dura em média uma semana. No entanto os resultados são muito bons. É indicado para casos de cicatriz de acne, manchas e rugas profundas. É indolor e pode ser aplicado em todos os tipos de pele.

Peelings Enzimáticos ou Biológicos

esse tipo de peeling agem superficialmente na pele. Aplicação de ácidos que provocam uma descamação fina na pele durante cinco dias, em média. Exemplos: ácido salicílico (para pele mais acnéica e oleosa), ácido retinoico (manchas e rugas), entre outros.descascam suavemente, sem formar casquinha, como o ácido retinóico e o glicólico

Peelings Tecnológicos Neurossensoriais

imitam os peelings químicos, porém sem os efeitos colaterais. não descascam ou descascam de forma imperceptível a olho nu, como o peeling de diamante e os enzimáticos, sendo portanto uma opção de tratamento que não tira o paciente da rotina, considerados os limites de resultado da técnica.

Cuidados após a aplicação do Peeling

A aplicação do peeling químico requer cuidados mais especiais, principalmente na primeira semana após o procedimento. O maior deles está relacionado à exposição solar, pois a pele fica mais sensível.

Todos os peelings só podem ser feitos através da indicação de um profissional. Mas o ideal é que o paciente jamais decida por si só o que deve ser feito em sua pele e deixe isso com um profissional mesmo, caso contrário o que era pra ser um tratamento com objetivos definidos e conhecidos, pode se tornar uma experiência com resultados-surpresa.

O Peeling é uma lesão induzida da pele e como qualquer lesão, desencadeia um processo inflamatório, que não deve ser interrompido, pois é esperado e necessário para conseguirmos o efeito maravilhoso do peeling. Conforme o peeling escolhido, é normal que se sinta calor, ardor, inchaço, vermelhidão e/ou coceira na região tratada, em diferentes graus. Em alguns peelings essa reações são praticamente imperceptíveis. É responsabilidade do profissional avisar e orientar o paciente quanto a isso antes de iniciar o tratamento e optar por um tratamento ao qual o paciente esteja disposto a passar.

Porque não devemos retirar a casquinha da pele formada após o peeling?

Independente do peeling que foi feito, se formar casquinha ela não deve jamais ser arrancada, deve cair sozinha. A casquinha protege uma pele ainda despreparada para receber a luz e retirá-la pode manchar a pele.

A pele é sensível à luz e, pasmem, não só à luz do sol, mas a muitas luzes que nos rodeiam diariamente. Se a pele íntegra já fica manchada e envelhecida à luz, imagina quando ela está em estado inflamatório induzido pelo peeling! Imagina então se essa luz for luz direta do sol! Precisa sim usar filtro solar, sempre, mas principalmente durante um tratamento que envolva peelings, reaplicando-o a cada 3 horas, que é o tempo de ação do filtro. Precisa evitar a exposição direta ao sol.

É responsabilidade do profissional, tornar o paciente ciente de que o filtro solar faz parte do tratamento, falar de sua importância, explicar os riscos de não usá-lo e se expor diretamente ao sol, indicar um filtro que lhe seja adequado e aplicar o filtro após os procedimentos feitos na clínica, quando for cabível. Mas fica por opção do paciente para com o sucesso ou fracasso do seu próprio tratamento, seguir todas essas orientações profissionais.

 

Como preparar a pele para o peeling?

 Primeira coisa: marque com o seu médico dermatologista uma consulta para avaliar seu tipo de pele e qual é o melhor peeling para você. Hoje existem diferentes ácidos e diferentes técnicas de aplicação – só o médico vai saber definir o mais apropriado. Geralmente, é indicado um ácido para ser aplicado no local a ser tratado por pelo menos 15 dias antes do primeiro peeling. Esse tempo também é importante para você se habituar a usar o filtro solar mais de uma vez ao dia – siiim! você vai precisar muito dele no pós. Além disso, mesmo em casos onde se aplica um peeling superficial, recomenda-se que seja numa semana sem grandes compromissos, quer dizer, sem festas, casamentos, reuniões importantes e viagens – você vai precisar estar tranquila para se cuidar. Geralmente, recomendo o peeling numa 4ª feira ou 5ª feira – isso porque a descamação se inicia cerca de 2 dia depois da aplicação, então no início da outra semana a pele está praticamente recuperada.

Quais são as indicações para peelings?

As principais indicações são: melasma, espinhas (no rosto e nas costas), estrias, envelhecimento da pele/rugas, sardas, melanoses solares (que são aquelas manchinhas que aparecem nas mãos e antebraços depois de uma certa idade…), olheiras, cicatrizes de acne, enfim, inúmeras indicações. Também lembro que há certos peelings que podem ser aplicados na pele morena e negra com toda segurança e ótimos resultados.

Quais são os benefícios desse tratamento?

A pele adquire um tom mais uniforme, com mais viço, clareia-se as manchas, diminui cravinhos e melhora aquelas espinhas inflamadas, melhora a aparência das estrias e olheiras e diminui rugas finas. No caso dos peelings superficais a aplicação é rápida e praticamente indolor e você não precisa se afastar de suas atividades do dia a dia.

Quantas vezes é preciso fazer peeling para atingir o resultado esperado?

Tenha em mente que apesar de ser visível uma melhora na qualidade da pele após a 1ª sessão, o resultado é melhor ainda quando são realizados em série, ou seja, em torno de 4 a 5 com intervalos de 30 dias. Cada vez que o peeling é aplicado a pele torna-se mais uniforme e apta a receber as medicações em creme de uma maneira mais homogênea. Ou seja, aquele composto que no início do tratamento não estava resolvendo tanto, agora, depois da pele mais certinha, a ação dele é potencializada.

Quais são os riscos de um peeling?

Mesmo os peelings superficiais podem ter complicações se não for bem indicado e feito corretamente. Por isso, é fundamental que seja aplicado por um médico dermatologista que é o profissional que sabe ( = estudou, pesquisou, se formou pra isso) o que fazer se caso uma complicação ocorrer. As principais complicações a saber são: manchas escuras (hipercromia) ou claras (hipocromia), cicatrizes, reações alérgicas, vermelhidão intenso e persistente e reativação de herpes.

Quem não pode fazer peelings?

Grávidas, mulheres que estão amamentando, peles bronzeadas, pacientes em uso de Roacutan®, presença de infecção ativa do herpes simples ou quando a pele não estiver bem preparada para tal.

Quais são os cuidados no pós-peeling?

Isso vai depender principalmente do local aplicado e da profundidade que o ácido atingiu. As principais recomendações são: usar filtro solar 3 a 4 vezes ao dia (mesmo que não se exponha diretamente ao sol), lavar a pele delicadamente com uma loção de limpeza de preferência com águia fria, enxugar sem esfregar, e nada de cutucar/puxar/friccionar a pele (sabe aquela tentação de puxar uma pelinha ou ficar procurando uma casquinha – NO WAY!!!).